cancer-mama1

Senado aprova projeto de lei que obriga unidades do SUS a realizar cirurgia única para retirada de tumor e reconstrução da mama.

A notícia de um tumor maligno assusta qualquer pessoa. Além dos transtornos causados pela doença e pelo tratamento agressivo, a sensação de proximidade com a morte gera muitas dúvidas, insegurança e temores.

No caso das mulheres diagnosticadas com câncer de mama, esses sentimentos se somam ao medo de perder o seio. É verdade que nem todos os casos desse tipo de câncer precisam ser tratados com a retirada total da mama, mas, inevitavelmente, esse receio passa pela cabeça de muitas, senão todas as mulheres.

O SUS já prevê a reconstrução da mama em casos de mastectomia pelo câncer de mama. Porém, esse procedimento pode levar anos para ser realizado, o que abala a auto-estima e o bem estar da mulher, que tem nos seios mais do que uma parte do corpo, mas um símbolo de sua feminilidade.

A boa notícia é que o senado aprovou nessa terça-feira a obrigatoriedade de realização de cirurgia plástica reparadora da mama imediatamente após a sua retirada em casos de câncer. O projeto de lei ainda precisa ser sancionado pela Presidente Dilma Rousseff.

No entanto, em mulheres fumantes, diabéticas ou com problemas cardíacos, a reparação da mama logo após a mastectomia é contra-indicada, mas deve ser feita assim que a paciente apresentar condições.

Essa medida pode, ainda, aumentar a qualidade de vida das pacientes, a segurança em relação ao seu corpo, dando maior esperança de recuperação e facilitando a adesão ao tratamento, que não se encerra com a cirurgia.

Você foi um (im)Paciente hoje? Visite nosso site e comente seu atendimento médico! Acesse: www.impaciente.org