Gravidez: verdades e mitos

Esta matéria é dedicada especialmente às futuras mamães e aos pais curiosos de plantão. Falar de gravidez sempre envolve muitas preocupações, alguns cuidados e uma série de mitos a respeito dessa fase tão bonita da vida. Vamos explicar alguns fatos da gestação, e também lembrar de alguns mitos que preocupam tanto a cabeça das famílias em vão.

1. A grávida precisa comer por dois:

Mito. Os hormônios da gravidez, principalmente a progesterona, aumentam o apetite. Isso não quer dizer que a grávida pode comer à vontade, quando quer e quando bem entende. A grávida precisa fazer uma dieta balanceada, rica em ferro, fibras, nutrientes e muita água, para que o bebê cresça forte, e a mãe não sofra com alguns problemas comuns da gestação, como anemia e prisão de ventre.

2. A grávida engorda:
Verdade, com ressalvas. O ganho de peso ideal para uma grávida varia de 7 a 13kg. Mas calma, isso tudo não é gordura! Durante a gestação, a mulher ganha cerca de 5L de sangue, 1L do líquido amniótico (que fica na bolsa onde está o bebê) e 3kg do bebê. Considerando que 1L de água pesa um kg, a grávida ganha 9kg de água mais o bebê, que depois do parto, irão embora junto com os hormônios da gravidez. Tudo volta ao seu lugar!

3. Cerveja preta aumenta a quantidade de leite:
Mito. Não foi comprovada nenhuma associação entre a gestante tomar cerveja preta e o aumento da secreção de leite pelas mamas. Além disso, deve-se evitar o consumo de álcool durante a gravidez, especialmente no primeiro trimestre, pois ele está associado a malformações graves no bebê.

4. O parto de cesariana é mais seguro:
Mito. Infelizmente, quase metade dos partos no Brasil é feito através da cirurgia cesária, muito acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde, que é de 15%. A cesariana é uma cirurgia como qualquer outra, e tem seus riscos inerentes. Primeiro, a questão do preparo pré-operatório. A mulher, ao fim da gestação, está fragilizada devido às exigências do bebê que cresce em seu ventre. Ela pode perder uma quantidade muito limitada de sangue. Além disso, há os riscos envolvidos com a anestesia. Soma-se ainda o fato de que cortes profundos serão feitos na barriga, chegando até o útero. Falando do útero, após a primeira cirurgia cesária, ele possui um risco maior de romper-se numa segunda gravidez. O parto normal é o meio pelo qual a humanidade vem nascendo desde os primórdios. A barriga volta mais rápido, a recuperação acontece mais depressa, não há cicatriz, a dor pode ser anestesiada, o bebê nasce mais saudável.

5. Um bom acompanhamento no planejamento familiar e no pré-natal garante uma gravidez segura:
Verdade. Nessas consultas, o médico procura uma série de condições na mãe e no pai que podem afetar a fertilidade do casal, a saúde da mãe e do bebê, como buscar doenças crônicas, sexualmente transmissíveis e problemas de desenvolvimento do feto. Ele também dá uma série de orientações sobre a gravidez e o parto.

Fazer o pré-natal com um médico de sua confiança é fundamental para passar uma gravidez tranquila e sem surpresas desagradáveis. Seja ele médico de família, ginecologista ou obstetra, o vínculo entre a família e o profissional de saúde para que o fim da gravidez seja apenas o começo de uma nova vida cheia de alegria e saúde!

Quer avaliar como foi o atendimento de seu médico no pré-natal, ou em outra consulta? Acesse: http://impaciente.org/