Brasil – Um país envelhecendo

Em matéria publicada no Jornal O Globo deste domingo, 2 de dezembro, um estudo do IESS (Instituto de Estudos sobre Saúde Suplementar), afirmava que, em 2030, os gastos com saúde pública cresceriam até 150%. Em grande parte, esse aumento se deveria ao aumento do número de idosos em nosso país. Mas, será que o Brasil está envelhecendo bem? O que significa uma população mais idosa para a saúde?
A exemplo dos países europeus e norte-americanos, o Brasil tem passado pela chamada ‘transição epidemiológica’ da era pós-industrialização. Com a invenção dos antibióticos, o crescimento econômico e o aumento do acesso aos serviços de saúde, houve uma mudança na proporção de crianças, adultos e idosos na população. As pessoas passaram a morrer menos de infecções e a viver mais e melhor. Se em 1960 esperava-se que um bebê nascido vivesse 48 anos, um bebê nascido no ano de 2010 poderá viver cerca de 73 anos. Isso já vem trazendo aumento da população acima dos 60 anos, que atualmente corresponde a mais de 20 milhões de pessoas, a mesma quantidade de habitantes que o estado de Minas Gerais!
Tantos velhinhos a mais em nosso país mostram que estamos no caminho do desenvolvimento, é verdade. Mas temos que ficar atentos pela qualidade de vida de nossos avós, e de nós mesmos no futuro. Os idosos precisam de muito mais atenção em saúde que o restante da população, pois têm mais das chamadas doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, aterosclerose, doença de Alzheimer, osteoporose, e também neoplasias. Essas doenças requerem um tratamento prolongado, e que nem sempre levam a cura, implicando um gasto grande para o bolso do idoso e do sistema de saúde como um todo.
O caminho para lidarmos com esse problema está em cuidarmos de nossa qualidade de vida desde o início de nossa vida. Uma alimentação saudável, prática de exercícios, saber equilibrar trabalho e lazer, e boas relações com a família e amigos promovem a saúde do corpo e da mente, e podem evitar, ou adiar, a maior parte das doenças da velhice. Consultas médicas pelo menos a cada dois anos também podem ajudar a cuidar melhor da saúde, ficando de olho nos sinais silenciosos de que alguma coisa já não vai bem no organismo.
Os gastos com a saúde vão aumentar, isso é inevitável. Mas se nós soubermos cuidar bem de nós mesmos, quem sabe, quando estivermos velhinhos, nós vamos estar em uma bela praia tomando água de coco e aproveitando a companhia dos netos, ao invés de estarmos num leito de hospital, pensando em como a vida poderia ter sido melhor se tivéssemos sido um pouco mais atenciosos.
Foi ao médico cuidar de sua saúde recentemente? Quer comentar como foi o atendimento? Acesse http://impaciente.org/ e conte a todos como foi!
Fontes: