Alerta para o uso da sibutramina

Você já deve ter ouvido falar da sibutramina. A sibutramina é um medicamento usado no tratamento da obesidade que mantém por mais tempo dois neurotransmissores em nosso cérebro, a serotonina e a noradrenalina, gerando uma sensação de plenitude alimentar. Até então, ela têm sido usada naqueles pacientes que já estão com uma dieta hipocalórica adequada, prática de exercícios físicos regular e não conseguem perder mais peso. Assim, a sibutramina é indicada para pacientes obesos, com um índice de massa corporal inicial (IMC) maior ou igual a 30 kg/m2.



No entanto, frente à pressão exercida pelos valores estéticos atuais, estar contente diante do espelho é uma tarefa um tanto árdua. Indivíduos que se encontram acima do peso, por exemplo, buscam por soluções simples e muitas vezes sem a orientação de um profissional de saúde. Com isso, aumentam as chances de insucesso do tratamento. 

O uso inadequado de medicamentos está entre as opções de muitos. É enorme a lista de fármacos utilizados, bem como são vários os riscos desse uso indiscriminado. Dentre os medicamentos comumente utilizados, a sibutramina possuem grande destaque. 


Entretanto, para aqueles que utilizam o medicamento, é importante ficar atento para as medidas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que divulgou um alerta para os profissionais de saúde sobre o uso da sibutramina no Brasil. Um estudo, chamado SCOUT (Sibutramine Cardiovascular Outcomes), mostrou um aumento do risco cardiovascular não fatal nos pacientes tratados com a substância. O que isso significa? Isso significa que as pessoas que usam sibutramina possuem mais chances de ter problemas de saúde relacionados ao coração e aos vasos sanguíneos, como infarto, derrame, parada cardíaca, dentre outros. Esses riscos aumentam em 16% nos pacientes que usam a sibutramina. 

O que este estudo fez foi confirmar, através de resultados consistentes obtidos em um grande número de pacientes, o que já estava advertido na bula do medicamento, que já alertava sobre os riscos de eventos cardio e cerebrovasculares com o uso da sibutramina. Por este motivo, inclusive, a sibutramina não deve ser utilizada por pacientes com história de doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca congestiva, arritmias ou acidente vascular cerebral.

Assim, a ANVISA tomou a seguinte medida: 

“Contra-indicado o uso de medicamentos contendo sibutramina para os pacientes com perfil semelhante aos incluídos no estudo em questão, ou seja: 
a) Pacientes que apresentem obesidade associada à existência, ou antecedentes pessoais, de doenças cardio e cerebrovasculares; 
b) Pacientes que apresentem Diabetes Mellitus tipo 2, com sobrepeso ou obesidade e associada a mais um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares; ” 

Se você utiliza ou pensa em utilizar a sibutramina, converse com seu médico a respeito, e ele irá decidir com responsabilidade pelo seu uso, ou pela substituição do medicamento por outras alternativas terapêuticas, como a dieta, a prática orientada e regular de exercícios físicos, o uso adequado de medicamentos e programas de mudança de comportamentos, por exemplo.

Aproveite sua visita ao nosso blog e comente seu atendimento médico em http://www.impaciente.org/