Aleitamento Materno: por que incentivar?

Muitas são as dúvidas sobre o aleitamento maternos: “apenas o leite é suficiente para o bebê?”, “devo dar outros líquidos para o bebê além leite?” ou “quando passar a dar alimentos sólidos para o bebê?” entre outras questões. Por isso resolvemos trazer, novamente, falar sobre o aleitamento materno.
O leite da mãe é o melhor alimento que o seu bebê pode receber, não sendo necessário nem mesmo dar água, pois o leite é rico em água, sendo indicado como alimento exclusivo até os 6 meses de vida do bebê, onde já é possível inserir alimentos sólidos (exemplo frutas), mas mantendo a amamentação até os 2 anos. Ele já possui todos os nutrientes que o recém nascido precisa e deve ser dado sobre livre demanda (sempre que o bebê pedir), além de ainda conferir proteção contra infecções por conter anticorpos da mãe que vão combater possíveis microrganismos que possam infectar o bebê. O leite ainda no peito não estraga, não gera custos para a mãe e a amamentação gera momento único para interação entre os filhos e a mãe, estreitando os laços entre eles.
Além disso há outros benefícios para a mãe: ajuda a reduzir o peso após  parto, reduz o risco de diabetes, câncer de mama e de ovário, ajuda na recuperação do tamanho normal do útero (o que reduz o risco de hemorragia e anemia após o parto) e pode ser usado como método para evitar nova gravidez, desde que a mãe esteja amamentando exclusivamente (a criança só se alimenta do leite materno), em livre demanda e que a mãe ainda não tenha menstruado (mas ainda HÁ RISCO DE ENGRAVIDAR, por tanto procure orientação médica caso queira tentar este método para evitar uma nova gravidez).

Por hoje é isso, mas aproveitando a sua visita, acesse http://www.impaciente.org/ e comente seu atendimento médico! Aqui você tem espaço para fazer suas críticas e elogios dos serviços que lhe prestaram.

Um feliz Natal para vocês, amigos leitores!

Fonte: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=33806